Linha do Tempo

Confira aqui o panorama geral sobre as ações relacionadas ao Memorando de Entendimentos, celebrado entre Banco do Brasil e entidades ligadas ao funcionalismo do BB, que reúnem ativos e aposentados.

  1. Memorando de Entendimentos

    21 de outubro de 2016

    No dia 21 de outubro de 2016, a CASSI recebeu Memorando de Entendimentos celebrado entre o Banco do Brasil (patrocinador do Plano de Associados) e as seguintes entidades representativas dos funcionários e aposentados do Banco do Brasil: AAFBB, ANABB, CONTEC, CONTRAF e FAABB*.

    O Memorando de Entendimentos propõe um conjunto de medidas a serem adotadas pela CASSI com o objetivo de contribuir para o equilíbrio e a sustentabilidade do Plano de Associados. O documento contempla, dentre outras medidas, a consulta ao Corpo Social para instituir contribuição mensal extraordinária de 1% dos participantes do Plano de Associados, até dezembro de 2019, para fins de aporte de recursos no custeio do plano.

    Os links abaixo contêm a íntegra do documento.

    Memorando assinado pelo BB, com AAFBB, ANABB, CONTRAF e FAABB
    Memorando assinado pelo BB e pela CONTEC

    *AAFBB (Associação dos Aposentados e Funcionários do Banco do Brasil), ANABB (Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil), CONTEC (Confederação Nacional dos Trabalhadores das Empresas de Crédito), CONTRAF (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), e FAABB (Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil)

  2. Consulta ao Corpo Social

    21 de novembro de 2016

    De 11 a 21 de novembro de 2016, o Corpo Social da CASSI foi consultado em relação à proposta de alteração no Estatuto Social da CASSI para permitir contribuição mensal extraordinária e temporária de 1% para os titulares do Plano de Associados até 31 de dezembro de 2019.

    Participaram desta consulta associados em pleno gozo de seus direitos junto à Caixa de Assistência em 31/08/2016, conforme o Estatuto Social da CASSI. Aposentados até 31/08/2016 votaram pelos TAA e funcionários da ativa, pelo Sisbb.

    A contribuição mensal extraordinária e temporária de 1% foi aprovada com 98.257 votos SIM, o que representa 81,4% dos consultados.Veja, abaixo, o total de votos.

  3. Convênio de Cooperação Técnica com o BB

    07 de dezembro de 2016

    O convênio tem por objetivo formalizar uma cooperação técnica, em parceria estratégica e com atuação sinérgica dos intervenientes, para fins de diagnosticar e avaliar o modelo de gestão e entrega assistencial da CASSI, abarcando a análise de processos, sistemas, controles, estrutura e demais aspectos de gestão, realizando eventuais ajustes e implementando melhorias quando necessário.

    Convênio nº 2016/007088

    6/12/2016 – aprovação Diretoria Executiva
    7/12/2016 - formalização (Diretor Gestão de Pessoas do BB e Presidente da CASSI)
    20/1/2017 – trânsito no Conselho Deliberativo
    26/1/2017 – trânsito no Conselho Fiscal
    Vigência: 1/12/2016 a 31/12/2019

    Entenda o Convênio

    No dia 7 de dezembro de 2016, foi assinado um Convênio de Cooperação Técnica entre CASSI e Banco do Brasil (BB), com o objetivo de firmar parceria estratégica para melhoria dos processos da Caixa de Assistência. O convênio, que tem vigência de 1º de dezembro de 2016 a 31 de dezembro de 2019, é uma das ações resultantes do Memorando de Entendimentos, elaborado a favor da sustentabilidade da CASSI. O acordo celebrado com o BB, juntamente com a contribuição extraordinária de 1% pelos titulares do Plano de Associados até dezembro de 2019, são medidas que permitem um aporte financeiro para a operadora. Ambos, contribuição e ressarcimento, são de caráter temporário e improrrogável.

    A convenção

    O Convênio de Cooperação Técnica considera que, pelo fato de a CASSI ser uma associação sem fins lucrativos, voltada para a assistência social na modalidade de autogestão, e cujo Plano de Associados tem como beneficiários os funcionários e aposentados do BB, os interesses das partes são convergentes.

    Programas relacionados à prevenção do adoecimento e à saúde ocupacional, por exemplo, contribuiriam para reduzir a ocorrência de absenteísmo e, por consequência, a curva de crescimento das despesas assistenciais do Plano de Associados. Em paralelo, para auxiliar na consecução deste e outros objetivos, os custos e as despesas dos programas de Atenção Domiciliar (PAD) e Assistência Farmacêutica (PAF), Coberturas Especiais do Plano e as estruturas das CliniCASSI, que executam a Estratégia Saúde da Família (ESF), passarão a ser parcialmente ressarcidos pelo BB – não considera despesas com o Plano CASSI Família –, uma vez que possuem potencial de otimizar os investimentos com tratamentos médicos de responsabilidade da CASSI. Assim, o BB se comprometeu a ressarcir à CASSI os custos e as despesas parciais daqueles programas e ações de saúde, no valor de até R$ 23 milhões mensais, até dezembro de 2019.

    O ressarcimento será feito por meio de depósito em conta corrente da CASSI. Os valores serão creditados integralmente até o quinto dia útil após o recebimento da planilha demonstrativa dos custos e despesas, encaminhada pela CASSI ao Banco. O ressarcimento será realizado no mês seguinte ao mês de referência dos custos e despesas. Isso ocorre por uma questão contábil, uma vez que a apuração dos valores a serem ressarcidos à CASSI somente é possível depois do encerramento dos atendimentos do mês de referência.

    Objetivos

    O convênio estabelece que haverá uma atuação sinérgica entre CASSI e BB, visando diagnosticar e avaliar o modelo de gestão e entrega assistencial da CASSI. Para tanto, prevê ainda a análise de processos, sistemas, controles, estrutura e demais aspectos de gestão, realizando eventuais ajustes e implementando melhorias.
    Pelo documento, o Banco também tem o compromisso de contratar (e remunerar) consultoria externa, especializada em gestão de saúde, para auxiliar na execução dos propósitos estabelecidos. Na primeira fase de atuação da empresa contratada, haverá entrega de propostas com base na elaboração do diagnóstico da situação atual da Caixa de Assistência, revisões de projetos e estudos de viabilidade e planejamento da implantação de mudanças. No segundo momento, a consultoria deverá fazer a implementação e acompanhamento das propostas (projetos) aprovadas pelos órgãos de governança da CASSI e/ou em consulta ao Corpo Social, observadas as competências e atribuições estatutárias. A consultoria, portanto, terá o papel de apoiar e contribuir com metodologia de análises e de trabalho e, principalmente, com boas práticas do mercado. O conhecimento que a própria CASSI e seus funcionários detêm será fundamental para o desenvolvimento desse diagnóstico. O trabalho será construído em conjunto com os profissionais da Caixa de Assistência e consultores. Os consultores terão o papel de apoiar e contribuir com a metodologia de análise e de trabalho e, principalmente, com boas práticas do mercado. Já os profissionais da CASSI, terão papel fundamental em todas as etapas das atividades, em função da experiência e amplo conhecimento técnico que detêm em relação aos processos internos.

  4. Início da contribuição extraordinária dos associados

    20 Dezembro, 2016

    Em dezembro de 2016, a contribuição mensal extraordinária de 1% dos participantes do Plano de Associados da CASSI passou a ser descontada na folha de pagamento. A medida é resultado da alteração do Estatuto da CASSI, com a inclusão do artigo 91 em disposições transitórias, após aprovação pelo Corpo Social, no dia 21 de novembro. Para regulamentar a alteração estatutária, também foi modificado o Regulamento do Plano de Associados (RPA), com a inserção do Artigo 35-A prevendo a cobrança da contribuição extraordinária até dezembro de 2019.


    A contribuição extraordinária dos associados resultou em R$ 17,3 milhões em dezembro e R$ 18,1 milhões em janeiro.

  5. Início do ressarcimento pelo BB

    Janeiro, 2017

    Nos meses de janeiro e fevereiro de 2017, o BB realizou ressarcimentos à CASSI. As despesas são reembolsadas após o término de cada mês. Isso ocorre porque o fechamento dos valores pela CASSI só é possível após o encerramento dos atendimentos no mês de referência. Os R$ 23 milhões mensais foram repassados no mesmo dia em que a CASSI apresentou os documentos, em 13 de janeiro e 16 de fevereiro de 2017. O BB tem até cinco dias úteis, em conformidade com o Convênio de Cooperação Técnica firmado entre o BB e a Caixa de Assistência, para proceder com o reembolso à CASSI. Os valores ressarcidos foram apurados após o levantamento das despesas com programas (atenção domiciliar e assistência farmacêutica), coberturas especiais e CliniCASSI.


    Em janeiro, despesas passíveis de serem ressarcidas de acordo com o Memorando somaram R$ 24,2 milhões e em fevereiro, R$ 24,9 milhões. O ressarcimento foi de R$ 23 milhões em cada um desses meses, conforme previsto no Memorando.

     

  6. 1ª prestação de contas

    (dezembro/2016 a fevereiro/2017)

    A prestação de contas referente ao Memorando de Entendimentos está prevista no próprio documento, assinado em 21 de outubro de 2016. Nos botões abaixo é possível acompanhar o status das ações e verificar o que foi realizado no trimestre dezembro de 2016 a fevereiro de 2017.


  7. 2ª prestação de contas

    (março a maio/2017)

    A 2ª prestação é referente ao andamento das ações previstas no Memorando de Entendimentos, contemplando o trimestre março a maio de 2017. Acompanhe, nos botões abaixo, as providências adotadas pela Caixa de Assistência no período.




  8. 3ª prestação de contas

    (junho a agosto/2017)

    A 3ª prestação de contas é referente ao andamento das ações previstas no Memorando de Entendimentos, contemplando o trimestre junho a agosto de 2017. Acompanhe, nos botões abaixo, as medidas adotadas pela Caixa de Assistência no período.




  9. 4ª prestação de contas

    (setembro a novembro/2017)

    A 4ª prestação de contas é referente ao andamento das ações previstas no Memorando de Entendimentos, contemplando o trimestre setembro a novembro de 2017. Acompanhe, pelos botões abaixo, as medidas adotadas pela Caixa de Assistência no período.




  10. Diretoria da CASSI apresenta Plano de Ações de Curto Prazo às entidades

    Medidas têm prazo de execução entre 90 e 360 dias

    A CASSI apresentou o Plano de Ações de Curto Prazo, em reunião extraordinária da prestação de contas do Memorando de Entendimentos, terça-feira, 6 de fevereiro, na sede do Banco do Brasil, em Brasília. O encontro reuniu dirigentes da Caixa de Assistência, do Banco e das entidades ligadas ao funcionalismo: AAFBB, ANABB, CONTEC, CONTRAF e FAABB.

    O plano, assinado pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho Deliberativo da CASSI, traz as seguintes iniciativas para a melhoria da gestão: Redução de despesas básicas; Aperfeiçoamento da gestão da rede própria; Adequações na gestão de Tecnologia da Informação e Revisão das políticas de gestão de pessoas. As ações têm prazo de execução de 90 a 360 dias. A elaboração do Plano de Ação contou com a participação dos gestores da CASSI, que trouxeram temas que já estavam em elaboração em suas áreas, além de outros identificados no decorrer dos trabalhos da consultoria.

    O encontro contou com a apresentação sintética da conclusão do trabalho realizado pela Accenture. A empresa foi contratada pelo BB a partir do Convênio de Cooperação Técnica entre a Caixa de Assistência e o Banco, como resultado do Memorando de Entendimentos. A versão completa do relatório foi enviada à CASSI no dia 6 de fevereiro. A Caixa de Assistência terá 60 dias para analisar as propostas apresentadas pela empresa e definir as próximas ações.

    Durante a reunião, o presidente da Caixa de Assistência, Luisinho, anunciou a antecipação de recursos de quatro anos de 13º pagos pelo BB à CASSI, que somam R$ 323 milhões. A medida é uma demonstração do compromisso do BB com a CASSI e seus associados, reafirmando o valor da Instituição, destacou João Batista Gimenez Gomes, gerente executivo da Diretoria de Pessoas do BB.

    O repasse não tem precedentes na história das duas instituições. "Esse valor contribui para a manutenção das reservas legais em 2018. Embora não resolva a questão da solvência e da liquidez de longo prazo, vai dar fôlego até que as soluções definitivas sejam determinadas pelo corpo social e patrocinador", afirmou o presidente. Ele ressaltou também que o aporte financeiro feito pelo Banco auxilia na busca da perenidade da Caixa de Assistência, mas para que tenha o efeito esperado, será preciso implementar ações estruturantes ainda no segundo semestre desse ano.

    Depoimentos:

    "O trabalho realizado até aqui é fruto de um processo de construção coletiva. É consenso a importância da Caixa de Assistência como benefício para todos nós. Por isso, ressalto o interesse do Banco do Brasil em preservar a CASSI". João Batista Gimenez Gomes (gerente executivo da Diretoria de Pessoas do BB - Dipes).

    "A apresentação da consultoria mostra que o custo-benefício da CASSI para o BB é vantajoso. Que o Banco reflita sobre isso". Gilberto Vieira (representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito - CONTEC).

    "Parabenizo a todos os participantes da reunião pelo consenso por uma solução para a CASSI". Loreni Senger Correa (representante da Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil - FAABB).

    "A mesa vem cumprindo seu papel quanto ao Memorando de Entendimentos. Estamos à disposição para avançar na discussão de novas etapas para a sustentabilidade da CASSI". Wagner Nascimento (coordenador da Mesa de Negociação e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro - CONTRAF).

    "Saímos com esperanças renovadas de que vamos conseguir uma solução para a nossa Caixa de Assistência". Célia Larichia (representante da Associação dos Aposentados e Funcionários do Banco do Brasil – AAFBB).