Ao apresentar simultaneamente tosse, febre e dificuldade de respirar, procure um serviço de pronto socorro credenciado à CASSI.
Se um destes sintomas ocorrer de forma isolada, entre em contato telefônico ou procure a CliniCASSI, que funciona de segunda a sexta-feira, ou outro serviço de pronto atendimento. Em casos assintomáticos, não há necessidade da realização de exame.

O que é?


O coronavírus é uma grande família de vírus que pode causar desde resfriados comuns até doenças respiratórias mais graves e de importância para a saúde pública como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). O novo coronavírus, descoberto em dezembro de 2019 na China (SARS-CoV-2), é o agente causador da doença pelo coronavírus 2019 (COVID-19).


Quais os principais sintomas?


São semelhantes a um resfriado, apresentando febre, tosse e dificuldade de respirar.



Febre



Tosse



Dificuldade de respirar







Transmissão



A transmissão do coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:


Gotículas de saliva



Espirro



Tosse



Catarro



Contato pessoal



Contato com objetos


Prevenção


Devem ser adotadas medidas gerais de prevenção e etiqueta respiratória. Com isso você contribui para evitar a disseminação de doenças:

• Lave regularmente e cuidadosamente as mãos com água e sabão ou higienize-as com álcool gel 70%. Dessa forma é possível eliminar os vírus que possam estar nas mãos.

Clique abaixo e veja um vídeo de como lavar as mãos.



• Idosos e pessoas com doenças crônicas devem permanecer em casa para evitar o contato com indivíduos infectados pela Covid-19. As demais pessoas também devem fazer a sua parte, mantendo-se em casa.

Veja abaixo como o isolamento social pode contribuir para diminuir a propagação do vírus.



• Mantenha, pelo menos, 2 metros de distância entre você e qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando. Dessa forma é possível diminuir o risco de respirar gotículas que contenham vírus.

• Evite tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Assim é possível evitar que as mãos que estejam contaminadas possam transmitir vírus para os olhos, nariz e boca.

• Certifique-se de que você e as pessoas ao seu redor praticam uma boa etiqueta respiratória. Isso significa cobrir a boca e o nariz com o antebraço ou com lenço descartável quando tossir ou espirrar. Lembre-se de descartar o lenço utilizado, imediatamente.

• Mantenha ambientes bem ventilados e evite o compartilhamento de objetos de uso pessoal (talheres, copos, garrafas, pratos etc).



Responsável técnico:
Paulo Rogério Afonso Antônio
CRM DF: 26.576

Perguntas e respostas sobre a Covid-19


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou para uso emergencial, as vacinas Covishield, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca, e produzida no país pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Elas estão sendo adquiridas e distribuídas pelo Ministério da Saúde aos estados para vacinação da população dentro do Programa Nacional de Imunizações (PNI). A Anvisa também concedeu registro definitivo para a vacina Cominarty, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNtech, e produzida no Brasil pela Fiocruz. Para informações sobre os números de vacinados e quais imunizantes utilizados, acesse o link: http://conselho.saude.gov.br/vacinometro.

A transmissão ocorre, principalmente, por três modos: contato, gotículas ou por aerossol.
  • A transmissão por contato ocorre por meio do contato direto com uma pessoa infectada (por exemplo, durante um aperto de mão seguido do toque nos olhos, nariz ou boca) ou com objetos e superfícies contaminados (fômites).
  • A transmissão por gotículas acontece por meio da exposição a gotículas respiratórias expelidas, contendo vírus, por uma pessoa infectada quando ela tosse ou espirra, principalmente quando ela se encontra a menos de 1 metro de distância da outra.
  • A transmissão por aerossol decorre de gotículas respiratórias menores (aerossóis) contendo vírus e que podem permanecer suspensas no ar, serem levadas por distâncias maiores que 1 metro e por períodos mais longos (geralmente horas).

A lavagem ou higienização das mãos são as medidas isoladas mais efetivas na redução da disseminação de doenças de transmissão respiratória. Além disso:
  • O uso de máscara facial, incluindo as de tecido, é fortemente recomendado para toda a população em ambientes coletivos, como forma de proteção individual, reduzindo o risco potencial de exposição do vírus, especialmente de indivíduos assintomáticos.
  • Mantenha a etiqueta respiratória com as seguintes ações:
    • Cubra o nariz e a boca com lenço de papel ou com o antebraço, e nunca com as mãos ao tossir ou espirrar. Descarte adequadamente o lenço utilizado.
    • Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Se tocar, sempre higienize as mãos como já indicado.
    • Fique atento! Mantenha a distância mínima de 1 metro de qualquer pessoa tossindo ou espirrando.
    • Adote um comportamento amigável sem contato físico. Evite abraços, beijos e apertos de mãos.
    • Higienize com frequência os brinquedos das crianças e aparelho celular. Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.
    • Utilize lenço descartável para higiene nasal.
    • Evite aglomerações, principalmente em espaços fechados e mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não é possível afirmar quanto tempo o novo coronavírus sobrevive, mas estudos avaliados pela OMS apontam que o vírus pode persistir nas superfícies por algumas horas ou, até mesmo, vários dias. Isto pode variar e depende das condições do local, do clima e da umidade do ambiente.

O "período de incubação" significa o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção pelo vírus.
De acordo com a OMS, o período de incubação da Covid-19 varia de 1 a 14 dias, geralmente em torno de 5 dias. A OMS ressalta ainda que essas estimativas podem ser atualizadas à medida que mais dados estiverem disponíveis.

Especialistas afirmam que ainda é muito cedo para dizer se o novo coronavírus, que causa a Covid-19, pode voltar a infectar uma pessoa que já teve a doença.

Fontes:
Ministério da Saúde - Protocolo de Tratamento do Novo Coronavírus (2019-nCoV)
Ministério da Saúde - Como é transmitido? (COVID-19)
Ministério da Saúde - Como se proteger? (COVID-19)
Organização Pan-americana de Saúde/Organização Mundial de Saúde (OPAS/OMS Brasil) - Folha informativa – novo coronavírus (COVID-19)