Amplo cuidado à saúde do homem

A CASSI aproveita o Novembro Azul para divulgar e promover o cuidado da saúde do homem de forma ampliada. Esta estratégia foi desenvolvida com o intuito de despertar no homem o cuidado com a própria saúde, evitando a valorização do foco na doença.

Muitos estudos comprovam que os homens são mais vulneráveis às doenças do que as mulheres, especialmente em relação às enfermidades graves e crônicas. Historicamente, os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres e morrem mais cedo do que elas. Além disso, a grande maioria é inserida no sistema de saúde por meio de atenção especializada, quando em situação de doença mais avançada.

Outro fator preocupante é que o homem, julgando-se invulnerável, se cuida menos e se expõe a mais situações de risco. Eles entendem a doença como um sinal de fragilidade não inerente ao gênero masculino. Prova disso é que na CASSI, atualmente, aproximadamente 54% dos cadastrados na Estratégia Saúde da Família (ESF) são mulheres.

É por estes aspectos que o Novembro Azul da CASSI procura dar maior amplitude à campanha tradicionalmente voltada apenas à prevenção ao câncer de próstata, estimulando a importância do cuidado geral da saúde masculina, seja por meio do papel essencial da família, pelo caráter cuidador culturalmente atribuído às mulheres, seja pelo estímulo da busca pelo cuidado da saúde por meio das CliniCASSI e prestadores, além da mudança de hábitos de vida e do estímulo ao autocuidado, que englobam, entre outros aspectos, alimentação saudável, atividade física regular e cuidados com a saúde mental.

Você conta com orientação de profissionais de saúde nas 65 CliniCASSI. Abaixo, a dica de alguns deles.

Rastreamento

A CASSI, alinhada ao Ministério da Saúde (MS), ao Instituto Nacional do Câncer (INCA) e a diversas entidades reconhecidas internacionalmente, se posiciona em conformidade com a melhor evidência cientifica disponível atualmente e é contrária ao rastreamento universal com o teste de PSA ou toque retal para diagnóstico precoce do câncer de próstata. O posicionamento da Caixa de Assistência é diferente do que é divulgado por muitos veículos de comunicação, que enfatizam a realização do rastreamento da doença em toda a população masculina com mais de 50 anos, ou seja, a realização de testes em homens considerados saudáveis, sem queixas, nem sinais ou sintomas, sem averiguar histórico ou outras informações.

Apesar de o câncer de próstata ser um dos tipos mais frequentes entre os homens, a utilização do PSA com o intuito de rastrear câncer de próstata não oferece benefícios concretos. Os estudos mais aprofundados nesse sentido (rastreio universal) não confirmam a redução de mortalidade global, mortalidade pelo câncer de próstata ou melhora da qualidade de vida.

Por isso, a CASSI enfatiza a importância do cuidado com a saúde de forma ampliada, estimulando o homem a se cuidar por meio de hábitos saudáveis de vida e também acessando os serviços oferecidos pelas CliniCASSI e rede credenciada.

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) estima que entre 2016 e 2017 serão registrados cerca de 600 mil novos casos de câncer no Brasil. Com um número tão grande de casos, é importante que as pessoas diagnosticadas com câncer saibam que as leis brasileiras asseguram a elas uma série de benefícios, como saque do FGTS, auxílio-doença e isenção de impostos.

Separamos aqui alguns dos principais direitos para quem é diagnosticado com câncer.

Fontes: Cartilha "Direitos Sociais da Pessoa com Câncer", publicada pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca); Zero Hora Online.

Saque do valor referente a todas as contas do FGTS, inclusive a do atual emprego

Quem pode

Trabalhador ou dependente diagnosticado com câncer.

Como fazer

Apresentar atestado médico com validade de até trinta dias, contados a partir de sua expedição, com a assinatura do médico responsável pelo tratamento, carimbo e CRM. O atestado também deverá conter o diagnóstico e o estágio clínico atual da doença e do paciente.

Quem pode

Trabalhador cadastrados no PIS/PASEP antes de 1988 que forem diagnosticados com câncer ou que tiverem dependentes com a doença

Como fazer

É preciso apresentar um atestado médico com validade de até trinta dias, contados a partir de sua expedição, com a assinatura do médico responsável pelo tratamento, carimbo e CRM. O documento também precisa conter menção à Resolução 01/96 do Conselho Diretor do Fundo de Participação PIS/PASEP, o diagnóstico e o estágio clínico atual da doença e do paciente. Caso o paciente seja cadastrado no PIS/PASEP depois de 1988, é possível recorrer à Justiça para pedir o benefício.

Também é possível sacar o PIS, na Caixa Econômica Federal, e o PASEP, no Banco do Brasil.

Quem pode

O paciente com câncer que fica impossibilitado de trabalhar por mais de 15 dias.

Como fazer

A incapacidade para o trabalho deve ser comprovada por meio de exame realizado pela perícia médica do INSS. É indispensável apresentar a Carteira de Trabalho ou documentos que comprovem a contribuição ao INSS, além de declaração ou exame médico (com validade de 30 dias) que descreva o estado clínico do paciente. O cálculo do valor do auxílio doença é feito com base nos valores de contribuição.

Quem pode

Paciente com câncer cuja a incapacidade para o trabalho é considerada definitiva pela perícia médica do INSS.

Nos casos em que os pacientes necessitarem da assistência permanente de outra pessoa, terão direito ao acréscimo de 25% no benefício.

Amparo Assistencial ao Idoso e ao Deficiente. Salário mínimo mensal, assegurado pela Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS)

Quem pode

Idoso com 65 anos ou mais, que não exerça atividade remunerada, e à pessoa com deficiência incapacitada para o trabalho, cuja renda familiar seja inferior a um quarto do salário-mínimo.

O paciente com câncer que se enquadre nesses critérios também pode receber o benefício.

Isenção do Imposto de Renda na aposentadoria, reforma e pensão, inclusive as complementações

Quem pode

Aposentado contribuinte com câncer. A isenção aplica-se mesmo quando a doença tenha sido identificada após a aposentadoria e até os rendimentos recebidos acumuladamente não sofrem tributação.

Como fazer

Para solicitar a isenção, a pessoa deve procurar o órgão pagador da sua aposentadoria, como INSS, prefeitura ou Estado, com um requerimento fornecido pela Receita Federal. A doença deverá ser comprovada por meio de laudo médico.

Quem pode

A pessoa com invalidez total e permanente, causada por acidente ou doença, possui direito à quitação, caso exista esta cláusula no seu contrato. Para isso, deve estar inapto para o trabalho e a doença determinante da incapacidade deve ter sido adquirida após a assinatura do contrato de compra do imóvel. Isso é possível porque existe, nas parcelas do imóvel financiado pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), um seguro que garante a quitação do imóvel em caso de invalidez ou morte. O seguro cobre o valor correspondente à cota de participação do paciente no financiamento. Em casos em que a possibilidade de quitação não esteja prevista em contrato, os pacientes podem procurar auxílio jurídico para tentar obter o benefício.

Quem pode

O paciente com câncer é isento do IPI, ICMS e IPA apenas quando apresenta deficiência física nos membros superiores ou inferiores que o impeça de dirigir veículos comuns. É necessário apresentar exames e laudo médico que descrevam e comprovem a deficiência.

Quem pode

Alguns municípios preveem a isenção do IPTU e tarifas de transporte para pessoas com doenças crônicas. Caso o município não ofereça os benefícios, os pacientes com câncer podem procurar as prefeituras ou o Judiciário para solicitar a isenção.

Clique na sigla correspondente à Unidade CASSI que deseja consultar.

A Caixa de Assistência elegeu o dia 25 de novembro como o dia "D" para a participação na campanha Novembro Azul 2016. A data simboliza o destaque dado pela CASSI ao tema durante todo o mês. Confira os registros do Dia D na CASSI.