O que é?

O câncer de mama é caracterizado pelo crescimento desordenado de células, determinando a formação de tumores malignos. É o tipo de câncer que possui a maior incidência e a maior mortalidade na população feminina em todo o mundo, tanto em países em desenvolvimento quanto em países desenvolvidos. O diagnóstico precoce aumenta em mais de 90% o sucesso do tratamento.

Sintomas

Em estágios iniciais, o câncer de mama pode não apresentar sintomas, mas é muito importante ficar atenta a certos sinais, como:

Inchaço

Pele enrugada ou com depressões

Descamações da pele ao redor do mamilo

Secreção espontânea e alterações no mamilo



IMPORTANTE!

Essas indicações devem sempre ser investigadas, porém podem estar relacionadas a doenças benignas da mama.

Fatores de risco

Não existe uma causa única para o câncer de mama e sim alguns fatores que podem aumentar o risco da doença, como:

  • Idade: mulheres após os 50 anos são mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença.
  • Primeira gravidez após os 30 anos ou não ter tido filhos.
  • Fumar e consumir álcool em excesso.
  • Primeira menstruação antes dos 12 anos de idade e/ou menopausa após 55.
  • Sobrepeso ou obesidade.
  • Não praticar atividade física regularmente.
  • Exposição frequente a raio-X.
  • Histórico familiar de câncer de mama e/ou ovário em parentes de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) que tenham tido a doença antes dos 50 anos.
  • Fazer uso de terapia de reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por tempo prolongado.

O que você pode fazer para reduzir os riscos?

  • Ter uma alimentação saudável, ingerindo verduras, legumes, frutas, proteínas, carboidratos e cereais, além da ingestão de muito líquido, como água, suco e outros.
  • Manter o peso em níveis adequados.
  • Praticar exercícios físicos regularmente.
  • Evitar o tabagismo e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

ATENÇÃO!

Mulheres com histórico familiar e/ou histórico pessoal de câncer de mama necessitam de avaliação e acompanhamento individualizado.

Prevenção

O câncer de mama pode ser detectado na fase inicial, em grande parte dos casos, aumentando assim a possibilidade de tratamentos menos agressivos e com taxas de sucesso satisfatórias.

Para isso, é importante que todas as mulheres, independentemente da idade, sejam estimuladas a conhecer o próprio corpo. Assim, será possível identificar, de maneira mais rápida, o que é e o que não é normal durante o autoexame das mamas.


Fique ligada!

As evidências científicas apontam que a realização de mamografias de rotina (exame realizado quando não há sinais/sintomas suspeitos de câncer de mama nem história familiar que justifique a investigação) fora da faixa etária de 50 a 69 anos expõe as mulheres à radiação desnecessária e pode, ainda, levar a intervenções/procedimentos que não trazem benefício à saúde.


Você Sabia?

Amamentar, além de ser proteção para o bebê, diminui o risco da mãe ter câncer de mama. Enquanto o bebê suga o leite, o movimento promove uma espécie de esfoliação do tecido mamário. Assim, se houver células agredidas, elas são eliminadas e renovadas. Quando termina a lactação, várias células se autodestroem, dentre elas algumas que poderiam ter lesões no material genético. Outro benefício é que as taxas de determinados hormônios, que favorecem o desenvolvimento desse tipo de câncer, diminuem durante o período de aleitamento.

Agenda